Cidades com a maioria das mulheres solteiras

Sobre Terras e Gentes é mais que um estudo sobre a constituição da periferia de uma cidade média, é a reconstrução do espaço local a partir das interações sociais produzidas pelos moradores da localidade. Dentro de uma perspectiva historiográfica social, é recomendado para estudantes e amantes da história dos seres humanos. Vale à pena conferir esse que é o primeiro de uma ...

Não quero mais saber de namoros

2020.10.12 06:00 Oi1235 Não quero mais saber de namoros

Infelizmente devido a uma vida amorosa fracassada, com anos sendo encalhada, observando traições por quase todos os lados (a maioria de homens porque alguns não sabe esconder ou não fazem questão) e vivenciado 2 depois: do meu pai que traiu a minha mãe e a trocou pela amante, ele fica dando lição de moral de tudo e isso me irrita; e da desgraça do meu ex (se eu pudesse dava uma surra nele, pena que não posso) não quero mais saber de relacionamentos, esse meu último foi só cobranças para o meu lado e nada pro lado lado do FDP, além dele ter pisado em mim por outros motivos também (além de eu ser mulher).
Também sou muito rancorosa, não perdôo traições e sou muito vingativa (se eu pudesse me vingava), e tenho certeza que se eu namorar de novo isso irá acontecer mesmo o cara aparentando ser certinho. Não quero entrar em um relacionamento para só eu ser fiel enquanto o bonitão vai pra farra sem remorso rir da minha cara. Sinto que se eu namorar de novo vou trair, já que quase traí pessoalmente o meu ex por causa das bostas que ele fazia e só não tinha prova dos chifres.
O problema é que eu me sinto mal por não querer namorar, porque sou heterossexual de uma cidade do interior, já fui mal falada por não ter sido assumida na época que eu morava aqui, e meu ex não me assumia nas redes sociais, inventava desculpas e um dos motivos até já sei qual é (r...o), e está se expondo até demais com a atual que me traiu (ela é b...a e eu não sou). Queria saber como é ser realmente assumida, queria me casar, mas pelo visto não saberei como é isso mais e serei uma grande fracassada: mas pelo menos sem chifres. Filhos ? Só se eu for mãe solteira, pelo menos os homens não vão querer nada comigo.
submitted by Oi1235 to relacionamentos [link] [comments]


2020.07.28 05:48 leepz2019 Um "amor" que eu não entendi

Olá me chamo L. (H.28) e venho buscar opiniões pra poder entender oque está acontecendo. Há 4 anos atrás conheci uma moça denominada D. Moça bonita e jovem 15 anos, só queria curtir e zoar a vida, quando eu a conheci foi em casa, naquela época consumimos maconha e vivíamos chapados, ninguém queria nada com nada, eu recém terminado e ela também. Nos envolvemos e aconteceu, a gente ficou e deixamos claro que não queríamos nós apegar tanto, porém não foi isso que aconteceu. Porém eu vinha passando por problemas devido ao meu término recente e vi que estava ali só por estar mesmo. Comecei a pensar e fui me afundando numa depressão profunda e amarga, porém não quis demonstrar isso, eu gostava muito dela e sabia que na idade dela não tinha porque envolver-la em algo desse tipo, afinal queríamos curtir. Passando um tempo minha mãe sabendo da minha situação me chamou pra ir morar com ela no nordeste, sem chão e sem nada resolvi ir sem hesitar. Expliquei para a D. que teria que ir embora pois não tinha mesmo condições de me manter nas condições emocionais que eu estava. Ela entendeu e compreendeu, sempre fomos muito sinceros um com o outro. Fui embora de coração partido por deixar a cidade e pessoas muito importantes pra mim pra trás. Chegando lá não consegui me adaptar e cai em depressão profunda, o único motivo pra eu sair da cama era comer e fumar cannabis. Passado um tempo comecei a me sentir mais disposto, saia pra passear beira mar, dar uns pegas bem assim dizer, uma euforia total. Cheguei a mandar mensagem pra D. Já que tinha me afastado por conta da depressão, porém ela tinha voltado com o ex, segui em frente afinal oque mais me importava era se ela estava feliz ou não. Passado uns 2 meses entrei em uma crise psicótica devido ao uso de cannabis. Passei por avaliação psicológica e fui encaminhado pra uma clínica. Foram os piores dias da minha vida, porém aprendi muita coisa ali. Eu já não queria mais morar lá no nordeste então saindo da internação resolvi fazer uso de drogas denovo sabendo que assim minha mãe me mandaria de volta pra minha cidade aqui no sudeste. Voltei e continuei a usar contrariando todo o tratamento da doença (esquizofrenia) uma simples tendência nada que me tornasse incapacitado de lidar com a sociedade. Certas vezes cheguei a sair e esbarrar com ela pelas ruas, cruzamos olhares mais ela ainda estava com ele e eu pensava que ela estava feliz e não queria estragar isso. Passado um tempo me atacou outra crise e resumindo segui pra uma internação mais severa agora aqui no sudeste e parei com o uso de drogas pra não atacar crise de novo. Fiquei um ano focado em trabalhar e cuidar de mim se manter relação amorosa com ninguém, isso foi ano passado. Um amigo em comum que namora uma amiga dela me disse que esses dias elas estavam conversando sobre mim, que ela aparentemente estava tendo um mal relacionamento com o namorado dela e disse que ela nunca me esqueceu e que gostava de mim depois de todo aquele tempo. O amigo me disse pra mandar mensagem pra ela, passado alguns dias eu criei coragem e mandei um oi pra ela no wpp. Sem resposta eu pensei, ela deve estar se acertando com ele, melhor eu deixar quieto. Passado mais alguns dias respondi um storie do instagram, não passou muito ela me respondeu com um emoji, logo voltamos a nos falar cada vez mais e mais. Perguntei se ela tinha terminado e ela disse que sim, antes de agente voltar a se falar ainda. Numa sexta feira tomando uma cerveja ela me disse que ia dar com o irmão, eu sem muito o que fazer chamei ela pra tomar uma em casa onde nos conhecemos, e ela aceitou e veio pra minha casa, já com a intenção de ficarmos, pois havíamos conversado por mensagem. O reencontro foi algo muito especial pra mim, algo que eu não consigo explicar. Ela passava quase a semana em casa, e quando ia pra casa dela trocava-mos mensagem do amanhecer ao anoitecer, eu achava me sentia muito pressionado mas sentia que ela precisava disso pois ela havia mencionado que também tinha parado de usar drogas que ocasionaram em crises de Pânico ou ansiedade não sabemos ao certo pois ela não quis ir ao médico saber sobre. Ela vinha tendo crises com certa frequência e eu sempre ajudei como pude, quando estava longe eu tentava distrair-la, quando perto abraçava, conversava, contava algo engraçado até passar tudo. Com um mês pedi ela em namoro durante uma festa que fazíamos em casa, ela aceitou, ficou emocionada ao meu ver, pois havia relatado que ninguém nunca tinha feito aquilo com ela, pusemos as alianças e comemoramos aquele dia. Ela passava muito tempo em casa e eu e meu irmão estávamos desempregados no momento, logo conversamos que ela vinha um dia da semana pra casa e nos fins de semana pra não pesar pra ninguém como havia combinado com meu irmão, conversei com ela e foi sem problema mas sempre ela inventava algo como está tarde ou vai chover ou que se sentia bem em casa comigo, pois o pessoal de casa sempre gostou dela e tratou ela super bem, entao eu ficava sem jeito de pedir pra ela ir pra casa dela. Mas sempre expliquei pra ela que quando eu pudesse eu traria ela pra morar comigo aqui, ela sempre ajudou como podia, não tinha dinheiro pois não trabalhava e eu ainda estava sem serviço pois nosso negócio estava parado por conta da troca de estação. Passando algum tempo realizamos a venda de um imóvel rural, recebi um bom valor da minha parte e sempre combinamos que quando o negócio voltasse a rodar iríamos trabalhar pra fazer esse dinheiro render então decidi pegar o resto das coisas dela , até isso acontecer aproveitamos muito, bebemos muito e curtimos muito, sempre comprei coisas pra comer sem necessidade, porém comprei muita coisa necessária também como roupas pra nós dois, comprei maquiagem pra ela, escova progressiva pro cabelo, trocamos de celular, comemoramos aniversário fomos em festas antes dessa pandemia é claro, aos pouco vi ela ficar cada vez mais linda de que quando a conheci. No caminho dessa curtição sempre reparei nas atitudes dela comigo, principalmente quando bebia ela me desagradava com certas atitudes, eu ficava extremamente magoado com aquilo e sempre me abri com ela e expliquei que aquilo me magoava muito. Coisas como, você tá parecendo meu ex, amigos que dava em cima dela eram melhores que eu, ou em certa conversa expliquei pra ela que ela me devia respeito, pois sempre respeitei ela e fiz o que ela queria, ela nunca teve quem fizesse essas coisas por ela, então eu fiz tudo na melhor intenção e felicidade por fazer ela feliz, ela me disse que não tinha por que me respeitar. Nós não éramos mais namorado, ela já estava morando comigo há mais de 4 meses, éramos praticamente marido e mulher, claro que tinha que ter respeito um pelo outro poxa. Sempre tivemos biometria do celular um do outro como sinal de confiança mas nunca olhei seu celular, uma vez ou outra só quando queria saber oque tanto fazia ali, e ela fazia também quando eu dormia eu acho, pois não via ela mexendo, até aí normal, apesar dos apesares sempre nos demos muito bem e eu achava que éramos felizes. Mas de nesses últimos 2 meses, reparei que ela já não se divertia muito diretamente comigo, só quando não tinha mais ninguém mesmo, se tivesse algum parente dela ou meu bebendo com a gente ela era totalmente radiante e feliz. Se eu for parar pra contar tudo que eu reparei com certeza vai ficar muito maior esse texto.. Continuando, mais precisamente a umas 3 semanas fomos a um aniversário do cunhado dela que eu sempre vou considerar como se fosse da minha família, inclusive sou muito grato a ela por ter conhecido ele e também a minha cunhada que é namorada dele e irmã da D. Enfim fomos a festa e chegando lá estava a família do aniversariante a mãe e os irmãos que eu conhecia aliás, tem um deles especificamente denominado J. Que ela sempre me falou mal, dizia que quando ele estava com a namorada ele era c..são e dava ânsia cada vez que ouvia o nome dele, porem recentemente a parceira dele largou dele e foi embora do estado. Até aí tudo bem, ele foi super simpático comigo, porém notei ela muito simpática com ele. Naquela noite fiquei assando carne na garagem em baixo onde se encontrava a maioria do pessoal, e ela distante de mim, direto lá em cima conversando com os irmãos do cunhado e nada de me dar atenção, percebi mas nem falei nada pra não ficar um clima chato na festa e nem começar uma briga com ela. Festa acabando chamei ela pra ir embora que a irmã dela ia levar a gente, ela estava jogando futebol no game com os irmãos do cunhado dela, e não me deu ouvidos direito, disse que estava vendo alguém jogar, eu falei vamo que o carro tá ligado já, ela disse que já ia, desci e falei pra irmã dela chamar que ela não queria vir, a irmã subiu, logo ela desceu, ao sair do portão torceu o pé, estava bem embriagada, todos estávamos, durante o caminho veio dormindo e chegou em casa subiu as escada deitou na nossa cama e logo adormeceu. No domingo ela acordou com o pé super inchado me chamou e eu perguntei se ela queria ir ao hospital ela disse que não, depois disso no meio do dia meu sogro liga pra ela perguntando se não queria ir na casa dele, disse que era melhor não ir por casa do pé, ela não gostou então fomos mesmo assim, bebemos rimos muito aquele dia, tudo normal, chegando em casa cuidei dela devido a pé e ficamos de boa, estava tudo normal aparentemente, na segunda ela ficou o dia inteiro no quarto devido ao pé inchado, na terça disse que iria na irmã dela e que a mãe ia lá e queria passar o dia lá, normal pra mim, antes de sair meu irmão havia pedido pra ela separar algumas peças que foram vendidas, ela disse que faria assim que chegasse. Na sexta feira antes disso meu avô havia sofrido uma queda e bateu a cabeça forte, no sábado do aniversário ele havia passado mal da pressão e ido ao hospital, desde então eu já estava aflito com essa situação e ela nem pra perceber, foi mesmo assim pra casa da irmã, no meio do dia me manda uma mensagem dizendo que o pé inchou, perguntei pra onde tinha andado ela disse que tinha ido ao mercado de apé, já fiquei meio irritado, pois há algum tempo ela já não ajudava nas tarefas de casa direito, coisa que sempre fiz independente de estar trabalhando ou não, paras as obrigações fazia corpo mole, pra se divertir era a primeira a agitar, blz. Me mandou uma foto do pé inchado, logo em seguida falei "quero ver essa disposição aqui em casa" e mandei uma palminha sobre a foto. Meu avô havia ido ao médico e eu estava extremamente preocupado. Não conversamos o resto do dia, mais ao anoitecer ela chega em casa me dizendo que tinha que voltar lá na irmã pra cortar a franja, só olhei e não respondi, por tamanha indignação com as preocupações minhas comparadas com as dela, que já não se importava muito com o que eu sentia e afins. Depois daquele dia ela se fechou e não saia do quarto nem pra comer, e direto eu vinha ver como ela estava, quando ela não estava vendo algo no celular estava jogando com o J. quem ela sempre falou mal, e estava rindo com o cara, toda hora conversando, e comigo nada de conversa, ia dormir tarde conversando no wpp e jogando, rindo com os outros e eu nada, fui ficando extremamente magoado e nervoso com isso tudo, cheguei a ter batedeira e tremedeira de nervoso, sensação de desmaio, fraqueza, decidi então ocupar a cabeça com serviço, enquanto ela ficava no quarto isolada falando só com quem ela queria eu me distraia com outras coisas. Na sexta feira resolvi puxar assunto com ela no wpp, já que ela não saia de lá, logo ela me respondeu e conversamos, disse a ela que não dava pra continuar desse jeito e ela concordou, eu também disse que desconfiava que havia algo errado ( mais uma coisa de intuição ou pressentimento não sei explicar) , ela me disse que eu tava viajando já, um pouco também é pelo fato de ela colocar o celular debaixo do travesseiro antes de dormir, coisa que nunca aconteceu e eu achei estranho mas nem falei sobre isso, durante a conversa me disse que tinha uma bagunça dentro dela que a vida dela era um caos e não queria me envolver nisso tudo, que cansou de fingir que tava bem e precisava pensar na vida, que tinha que ficar um tempo sozinha pra ver oque ela tava fazendo da vida dela????? Como assim? Depois de tudo que passamos que "conquistamos" , tudo que curtiu , dizia que me amava e eu também dizia, aliás ainda amo, cadê aquele amor todo que tinha me dito que tinha? Que nunca me esqueceu? Que eu era a melhor coisa que tinha acontecido na vida dela? Que eu era o homem que ela pediu pra Deus? Que eu ninguém tratou ela como eu tratei? Passou mais um dia, enfim logo ela mudou de assunto e desceu ajudar minha cunhada com umas coisas de casa, foi até mim, disse que me amava, me deu um beijo, e disse que havia melhorado um pouco, mais a tarde eu ainda trabalhando perguntei a ela, e aí tá de boa? Ela me respondeu.. Sinceramente não tô não.. Disse a ela que a hora que eu subisse conversaria Ela perguntou se podia chorar, pois estava com uma vontade gritante fazia tempo Disse que sim, que as vezes tudo que precisa é desabafar e fazer isso mesmo Eu subi, cheguei no quarto e liguei a TV e coloquei algo pra tocar num volume mais ou menos, abracei ela bem forte deitado na cama, e senti ela chorando bem baixinho pra não perceber, ali eu me senti muito mal mas muito mesmo, porém a gente havia conversado e ela me disse que não foi nada que eu tivesse feito ou falado pra ela, do contrário, era coisa dela e ela não queria me envolver, enfim ela terminou de chorar veio até mim e nos beijamos intensamente, sentou no meu colo e continuou me beijando, cheguei a pensar que transariamos. Ela saiu de cima e estávamos conversando sobre nada específico que envolvesse nossos sentimentos, ela me perguntou se eu tinha entrado no jogo que sempre jogamos juntos pra coletar recompensas eu disse que não e pedi pra ela pegar meu celular pra eu poder fazer isso, entrei lá e logo o J. estava online e me chamou pra jogar, joguei com ele na boa pq já tinha combinado, e perguntei a ela se ela queria jogar, sem hesitar ela entrou com a gente, jogamos até altas horas e foi bem divertido. No dia seguinte estávamos conversando normal e tudo até que um amigo em comum avisou que teria um churrasco de aniversário na casa dele a noite e teria chamado também a irmã dela e o cunhado, logo encaminhei pra ela e ela disse que tinha combinado almoço na casa da mãe do cunhado dela onde reside o J., falei mais eu nem sabia que se tinha combinado isso, e outra dava pra ficar pra outro dia, já percebi que ela não gostou e parou de falar comigo, subi no quarto pra trazer comida pra ela pois ela não havia saído do quarto, cheguei ainda amoroso e disse comprei algo pra você comer, ela disse que não tava com fome e não olhou na minha cara, pensei poxa denovo isso..algum tempo depois entrei no quarto ela rindo e jogando denovo com o mesmo cara, enquanto eu resolvia as coisas pro aniversário e trabalhava. Pouco antes de me arrumar entrei no quarto a mesma situação, não me senti mal exatamente por ela estar jogando e rindo com ele, fiquei meio chateado por que ela me ignorava. Enfim varou a tarde jogando e tive que pedir pra ela se arrumar se não nós atrasariamos, fez cara e se arrumou, e seguiu seca e meio calada igual a semana inteira, fomos para a festa.. Chegando lá se divertiu e tirou foto com todo mundo menos comigo..depois de um tempo ela me disse que estava passando mal e queria ir embora, trouxe ela em casa que é perto e pedi pra ela comer algo quando chegasse pra não acordar passando mal com dor de cabeça Ali eu tomei a decisão de fazer como se fosse um dia em que eu pudesse extravasar, Bebi como se não houvesse o amanhã, fui até 10 horas da manhã bebendo.. chorei muito desabafei muito com a minha cunhada que sempre foi parceira e amiga em tudo, inclusive da D. Subi e descansei, não vi ela acordar e quando acordei ela estava no banheiro, desci e continuei bebendo e pensando em tudo. Fiquei o dia sem inteiro sem entrar no quarto..quando entro me deparo com ela mais uma vez jogando e rindo com o cara, depois disso comecei a tremer e sentir batedeira denovo. Conversei com alguém e fui tomar um banho pra acalmar. Funcionou, entrei no quarto e acho quel ela percebeu que eu saí nervoso logo ela saiu do jogo. Na segunda feira ela ia repetir o mesmo esquema da semana passada e ia me ignorar..passei o dia inteiro pensado sobre o que fazer e como fazer e decidi subir pra conversar. Cheguei no quarto ela estava com a toalha ao lado..perguntei se ela iria se banhar ela seca me disse "vou"... Disse que a hora que ela voltasse precisaríamos conversar.. Ela voltou do banho e sentou na cama e disse.. Vai solta a letra.. Já rebati..é assim mesmo que você fala? Tem certeza que quer começar uma conversa assim? Ela disse não,, foi mal diz aí oque se quer Perguntei eai? As coisas vai ficar assim mesmo? Se não quer falar comigo, só ri e conversa normal com os outros? Ela disse eu não tô falando com ninguém 🙄 Já parei a conversa e falei ... Ó assim não dá nao...faz um favor e só arruma outro lugar pra você ficar e pode ir embora.. Sem hesitar ela disse hoje mesmo eu faço isso! Me doeu muito ter que dizer aquilo.. Mas para ela foi como se já tivesse esperando.. Então me dirigi a porta e disse, me faz um último favor? Ela disse hum? Falei.. Isso que você fez comigo, não faz com o próximo não.. é feio e é muito errado... Ela balançou a cabeça e disse... Tá bom Desci e fiquei inquieto lá em baixo, minha vontade era subir e falar tudo que estava e estou sentindo agora.. Ela me pediu pra ajudar a encontrar as chaves da sua casa, subi e quando abri a porta ela estava sentada chorando muito...aquilo me partiu o coração, mesmo assim encontrei as chaves e entreguei a ela.. Sentei ao lado dela quieto e esperei pela carona dela.. Pouco antes de ir me pediu um abraço. Nós abraçamos e nos beijamos uma última vez e enfim ela foi embora.. No dia seguinte atualizou seu status pra solteira nas redes sociais e posta indiretas como coisas do tipo a dar entender que já está em outra e isso tem me magoado profundamente.. Eu tenho tanto ainda pra falar..mas estou digitando faz horas.. Fica aqui um desabafo +
submitted by leepz2019 to desabafos [link] [comments]


2019.11.18 19:40 marciofsrj Vanessa Vailatti


Bella da semana

Vanessa Vailatti

Vanessa Vailatti 2017 - O grande dia finalmente chegou! É hora de ver o ensaio mais esperado dos últimos tempos aqui no Bella da Semana. Ela, que já fotografou para o site há dois anos e foi sucesso absoluto no mundo inteiro, agora está de volta em fotos muito especiais. Depois que fotografou pela primeira vez, após ter sido coroada a musa do concurso promovido pelo Bella da Semana no carnaval de Floripa em 2015, Vanessa Vailatti curtiu a vida, beijou mulheres, virou celebridade e chegou a ser confundida com a esposa do atual presidente brasileiro Michel Temer, Marcela, em uma história que pipocou nos maiores veículos de comunicação nacionais. Vanessinha, nossa eterna musa, deixou todos nós implorando por mais. É com muito prazer que atendemos a esses pedidos e agora vocês podem ver o resultado deste novo trabalho aqui.
Nome: Vanessa Vailatti (Vanessinha). Data e local de nascimento: 21 de abril de 1992, em Guaramirim (SC). Cidade onde mora: Penha (SC). Signo: touro.
Medidas Altura: 1,64 m. Quadril: 99 cm. Cintura: 69 cm. Busto: 87 cm. Pés: 35.
Vanessa, desde que você fotografou para o Bella da Semana a primeira vez, seus fãs não param de pedir por um novo ensaio. Qual a diferença entre esse ensaio de agora e o ensaio de dois anos atrás? Os dois ensaios foram especiais, cada qual no seu momento. O primeiro é mais especial para mim porque foi quando tudo começou, mas que esse segundo não foi menos importância do que o primeiro. Questão de experiência, claro, que neste segundo eu me senti mais segura. Já tinha mais intimidade com as câmeras.
Você continua linda, mas parece que está ainda mais bonita do que da outra vez. Alguma coisa mudou na sua rotina de treinos ou alimentação desde então? Na verdade, meu corpo mudou muito durante estes dois anos e só nós, mulheres, sabemos das oscilações que sofremos. Hoje aumentei atividades aeróbicas e vario a minha dieta. A dica é não desistir jamais!
Você terminou a faculdade de Educação Física? Ainda não terminei, não, mas está nos meus planos.
Por falar em carreira, um tempo atrás você foi confundida com a esposa do atual presidente Michel Temer. Pode nos contar um pouquinho sobre essa experiência? Foi uma loucuraaaa! Mas adorei, não é sempre que se é confundida por uma pessoa tão influente.
Qual o lado complicado da fama? Como a maioria dos meus trabalhos são sensuais e me exponho muito, o lado negativo são as criticas. São críticas não construtivas, sabe? Os famosos "haters", pessoas que não têm um pingo de bom senso, que nunca me viram na vida e se acham no direito de comentar asneira, sendo que boa parte desses críticos são mulheres. Fora o uso indevido da minha imagem, usam meu nome, usam minhas fotos para promoverem alguns sites dos quais não faço ideia da existência.
Existe muito preconceito nesse meio? Sim! Ainda existe muito preconceito. Em pleno século XXI, a sociedade é muito machista. Mesmo a humanidade se encaminhando para uma vida mais liberal, a prática é outra. Se fala muito e se faz pouco. As pessoas julgam o livro pela capa e nem sempre o que parece, é. Além do mais, não cabe a ninguém julgar. Como sempre digo, a maldade está nos olhos de quem vê. O preconceito existe de ambas as partes, homens e mulheres. Elas, por não aceitarem esse mundo sensual (as modelos sensuais) e taxando apenas as modelos de passarela como as "verdadeiras representantes da moda e sensualidade”, o que é um erro; eles por não saberem diferenciar o trabalho da vida real, achando que somos um objeto sexual, prontas para servi-los. Um eterno desrespeito!
Nas redes sociais tem muita gente te pedindo em casamento... Pensa em casar? MEU SONHO É ME CASAR! Porém, não sou uma mulher tão fácil assim para ser conquistada (risos).
Já se surpreendeu positivamente com o comentário de algum seguidor? Sim, eu recebo várias mensagens de motivação e de carinho. Uma que me chamou muita atenção foi um direct de um seguidor me falando que tinha uma doença X e que gostava da energia que eu passava. Fora as mulheres falando que se espelham em mim. Isso é surreal, gratificante.
Você é um mulherão e está solteira, apesar de ter muitos pretendentes a seus pés. O que está faltando? Está faltando vontade. O amor eu já encontrei, mas falta vontade suficiente para querer estar junto e fazer por merecer a minha companhia.
No carnaval deste ano você foi à Bahia e um portal nacional publicou que você beijou dois homens e uma mulher. Qual a diferença entre o beijo masculino e o feminino? Alguns homens se sentem muito inseguros na hora da conquista e, consequentemente, essa insegurança é perceptível durante o beijo. Acreditem, é algo interessante e ao mesmo tempo assustador. Já com relação às mulheres, somos mais envolventes e, com esse jeito mais carinhoso, o beijo se torna diferente, pois a forma de beijar é completamente outra, é macio e único. A experiência foi única, mas de forma alguma põe em duvida minha sexualidade.
Quais os seus planos para o futuro breve? Tenho uns projetos, mas nada concreto ainda a ponto de ser compartilhado. Assim que se encaminhar, eu compartilho.
Tem algum arrependimento? Nem todas as escolhas que eu fiz na minha vida me fizeram bem, porém acredito que foram necessárias para o meu crescimento pessoal e profissional. Às vezes, precisamos abdicar de algumas coisas para podermos ganhar outras. Até porque nada acontece por acaso. Acredito muito naquele ditado que diz "eu prefiro me arrepender das coisas que eu fiz do que me arrepender das coisas que não fiz".
Conte-nos a ideia de um fim de semana perfeito: um final de semana na praia (sol, calor), com amigos ou uma boa companhia, dando risada, ouvindo música boa... isso é tudo o que eu preciso para o meu dia ser perfeito!
Para fechar, deixe um recado aos apaixonados por você no Bella da Semana: meus amores, eu só quero agradecer a todos vocês meus seguidores, pelas mensagens positivas e por todo carinho. É gratificante e me motiva a continuar. Muito obrigada!
Veja Também
submitted by marciofsrj to u/marciofsrj [link] [comments]


2019.02.27 15:29 CuteCockroach Me apaixonei por uma pessoa que eu saí só uma vez

Olá, obrigado por se interessar em minha história! É um pouco longa, então deixarei um resumo no final para aqueles que não queiram ler tudo.

Vamos lá!

Eu nunca fui uma pessoa que tinha facilidade para conhecer gente. Como um nerd de 5ª categoria, eu sempre fui bastante tímido e nunca escondi isso, até porque é difícil esconder timidez: você tenta parecer autoconfiante mas acaba extrapolando e passando a imagem de uma pessoa que você não é e chega a assustar a pessoa com quem está conversando.
Há alguns anos, com a chegada de aplicativos de "paquera", eu consegui conhecer algumas meninas. Mas nunca deu em nada. Tive alguns projetos de namoro mas que eventualmente se desfizeram, por N motivos.
A vasta maioria das meninas que conheço nesses aplicativos são pessoas que parecem que "demandam" a responsabilidade diretamente minha de ser o agente "puxador de assunto". Ficam quietas e respondem objetivamente, sem perguntar o mesmo para mim (por exemplo "qual filme você mais gosta?", e essas perguntas bem clichês no começo de um papo; e/ou então não dão espaço para surgir um assunto em cima do que eu falei. E a conversa fica rasa, chata e não vai pra frente. Até que semana passada eu acabei conhecendo uma menina que foi diferente de todas: ela puxava assunto, perguntava como foi meu dia (isso conta muito para mim), perguntava sobre mim e demonstrava interesse no que eu dizia. Como disse Jim Carrey no filme Brilho Eterno de uma Mente Sem Lembranças: "Por que eu me apaixono por toda mulher que eu vejo que me dá o mínimo de atenção?". Seu nome irei omitir, mas chamaremos ela de Fulana.
E assim fui conversando algumas noites com Fulana. Conversamos por cerca de 3 a 4 dias, até chegar na sexta-feira e ela me lançar o desafio de assistir três episódios de uma série no Netflix que, caso eu não gostasse, ela me pagaria um cinema para devolver as horas que eu perdi assistindo os primeiros episódios da série. Se eu gostasse, eu pagaria. Bom, eu assisti, e eu gostei. Não muito, mas eu gostei. E para faze-la feliz, eu disse que achei bem legal e que ela ganhou a aposta/desafio. Num papo descontraído umas horas antes, ela perguntou o que eu procurava no app e eu disse que procurava algo sério, uma parceira e etc., e ela disse que não estava a procura disso: que ela havia terminado um namoro havia pouco tempo e que queria apenas conhecer gente. Se rolasse algo, rolou. Não era do controle dela.
Pois bem. Marcamos o cinema para o sábado passado e, na minha cabeça (e pelo que ela deixou entendido) seria apenas um cinema e depois tchau e bença, cada um para seu canto.
Fomos para o shopping e quando a vi, a primeira impressão foi muito boa: ela era muito mais bonita do que nas fotos, e o sorriso dela era maravilhoso. Nos cumprimentamos e fomos em direção ao cinema. Conversamos um pouco e eu brinquei bastante com ela (porque, como eu disse, ela é o tipo de pessoa que dá espaço para que eu seja mais solto), até entrarmos na sessão. Durante o filme, algumas brincadeiras e risadas antes do filme começar e, quando começou, eu fiquei sério, pois eu gosto de prestar atenção ao filme. Ela, por sua vez, não estava muito entretida com o filme, era nítido (ela chegou até a falar quase no meio do filme: "agora sim esse filme começou a ficar legal"). E, chegou uma hora que ela deitou em meu ombro. Alguns minutos depois, ela segurou minha mão... Ela estava sendo a ativa. Eu arrisquei e a beijei: ela correspondeu. Dali para frente o filme foi praticamente esquecido.
Quando o filme acabou, já era 23h. Perguntei a ela: "Quer fazer mais alguma coisa, ir a algum outro lugar?", e ofereci ir a um Rock Bar que estaria com o cover da minha banda favorita tocando. Ela, para a minha surpresa, aceitou sem pestanejar. Entramos no carro dela e fomos até o bar. Chegando lá, ficamos conversando bastante, além de curtir a música e trocar vários beijos. Em uma de nossas conversas, ela falou bastante de como foi o seu relacionamento passado... Que namorou por quatro anos e foi o primeiro homem com quem ela teve qualquer coisa. Ele foi a primeira experiência dela com tudo. Ela não falou especificamente dele, mas sim do relacionamento. Eu não vi quaisquer problemas com isso, pois todos tivemos experiências na vida e cabia a mim apenas respeitar o passado dela. Eu sabia que ela não queria nada sério, até porque também era a primeira vez que saíamos (e ficamos) e tinha bastante chão ainda.
Em determinado momento de nossa "pegação" durante o show no bar, ela me disse que ainda bem que estávamos em local público, pois ela estava "muito excitada" e não iria se controlar.
Ao acabar o show, já era 5h da manhã, e fomos para o carro dela para irmos embora. Ela morava cerca de 1h30 de onde eu moro e, para não faze-la ter que me deixar em casa e depois andar de madrugada sozinha até em casa, sugeri que fossemos até a rodoviária da cidade dela de lá eu pegava o ônibus para a minha. Ela aceitou, e fomos. Porém, chegando lá na rodoviária, ao nos despedirmos, começamos a nos beijar novamente e as coisas esquentaram. Esquentaram bastante. Não acabamos transando, mas chegamos perto. Depois de finalmente o sol raiar, e ficar impossível de prosseguir com qualquer coisa no carro, eu sugiro a ela irmos a um Motel perto de minha cidade e que era meio caminho para a dela. Assim, a gente ficava mais um tempo juntos e não seria uma localização ruim para os dois.
Chegando no Motel, aconteceu o óbvio: transamos. Mas foi um sexo diferente de qualquer outro que eu já fiz na minha vida. Parecia que eu a conhecia há muito tempo, e tivemos uma conexão muito forte... Reflexo talvez de toda a noite agradável e descontraída que tivemos. Tive um desempenho como nunca antes tive: durando bastante e "pronto para a próxima" num tempo bem curto. Até que, em determinado momento enquanto descansávamos abraçados, ela soltou: "te amo". Eu, por dentro, queria dizer "eu também". Mas eu não sabia o que dizer e, para me certificar, eu perguntei: "sério?". Ela entrou em desespero e pediu mil desculpas. Falou que era porque estava "acostumada" a apenas transar com o seu ex e que falou sem pensar. Eu entendi e fingimos que nada aconteceu. Mas, o dano estava feito havia várias horas: eu estava apaixonado.
Dado o tempo do motel, fomos embora e ela me deixou na estação de trem para que eu fosse para minha casa e ela seguisse rumo à dela. Ela então me chamou no WhatsApp (porque antes só nos falávamos pelo app) e então ficamos mais próximos e conversando mais facilmente. Ela não poupou elogios a mim, disse que foi incrível e que não esperava que o encontro fosse tomar as proporções que tomou (nem eu esperava), que iria acabar no cinema. Eu fiquei muito feliz com ela, e procuro pensar que ela também estava muito feliz comigo. No mesmo dia, perguntou se tudo bem ela dizer que estava com saudades, e eu disse que sim, pois eu também estava. Ela se mostrou aliviada. O nosso desejo um com o outro era nítido: nós dois nos demos muito bem, e ela não poupava elogios a mim e ao quanto eu poderia ser uma pessoa melhor (pois ela notou que eu tinha problemas de baixa auto-estima e confiança). E, é claro, isso só corroborava com o fato de eu estar apaixonado por ela: uma pessoa que eu conheci haviam poucos dias, e saí apenas uma vez.
Eis que, ontem, terça-feira, ela ficou estranha de uma hora para a outra. Eu achava que era apenas o trabalho dela que estava pesado, e relevei (até porque eu não poderia cobrar atenção dela). Mas, ao chegar em casa, ela estava muito seca. Quando perguntei se ela estava melhor do mal estar que ela disse que estava sentindo no começo do dia, ela disse "mais ou menos, mas não se preocupe, não estou merecendo". Eu estranhei, e perguntei porquê. Ela disse que "não mereço porque você é legal, e eu não". Eu gelei na hora. Já ouvi essa frase uma vez e sabia o que seguia depois disso. Era quase certo que ela iria me dispensar... E eu acertei. Ela disse que o ex-namorado dela havia ligado para ela no serviço e eles discutiram bastante, ela chorou. E no final da conversa ela concordou com algumas coisas que ele disse.
Ela falou que mentiu quando disse que estava solteira tinham 3 meses: ela estava solteira haviam 9 dias. Que ela tentou por muito tempo levar o namoro adiante mas não funcionava... E ela disse o seguinte:
Depois disso a gente se viu de novo e eu falei que amava ele....ele disse que eu sou falsa de dizer isso e sair com outro 9 dias depois
Parece que ela acabou encontrando o ex namorado.
Resumindo... Ela me "dispensou". Eu tentei acalma-la tentando tirar todo o peso que ela tava colocando sobre si, falando que ela não prestava e que era uma vagabunda (palavras dela) e chorando horrores, mas a cada frase que eu mandava tentando faze-la se sentir melhor, parecia que ela me atacava. Então eu desejei a ela que encontrasse paz e fosse feliz, e que eu estaria ali para ela caso ela precisasse. E não nos falamos mais.
E é isso... Eu me apaixonei por uma pessoa que me deu o mínimo de atenção e me bajulou por alguns poucos dias. Mesmo eu sabendo que ela tinha saido há pouco tempo de um relacionamento, eu estava disposto a tentar. Só não sabia que era tão pouco tempo e que ela estava frágil. Agora estou de coração partido, sabendo que não encontrarei outra pessoa que se conecte comigo como foi com ela, e serão mais vários e longos meses até eu conhecer alguém que seja pelo menos 1/3 do que ela foi para mim.

TL;DR: OP é tímido e conheceu uma menina via app que o fez feliz por alguns dias. Ela logo dizia que estava para "o que vier" pois acabara de terminar um relacionamento de 4 anos havia poucos meses, e o OP queria algo sério, e foram se encontrar. No primeiro encontro, foram ao cinema, cover de sua banda favorita e acabaram o encontro no motel. A menina disse "eu te amo" durante o motel, mas foi "sem querer". O OP se apaixonou pela menina pois ela foi encantadora e uma ótima companhia, e as coisas pareciam caminhar mas dois dias depois o ex-namorado dela ligou para ela no trabalho e ela discutiu, aparentemente se encontrou com ele e disse a ele que ainda o amava (mas não sabia ao certo). A menina teve uma crise, falou que não quer isso para ela e nem pra mim, e "terminou" tudo. OP está devastado pois há muito tempo não conhecia uma menina que o fez bem assim e agora está bem triste.

Obrigado a todos por terem lido minha história!

submitted by CuteCockroach to desabafos [link] [comments]


2018.11.13 13:35 Dinohobby Pediram para eu postar aqui também. Traduzi o texto famoso do filho incel do r/self "My son is a hateful incel, and I just cannot save him or defend him anymore."

link original pra quem quiser: https://www.reddit.com/self/comments/9vs05k/my_son_is_a_hateful_incel_and_i_just_cannot_save/

Meu garoto, meu filho mais velho, era tão bom quando pequeno, mas algo dentro dele quebrou quando ele era adolescente.
Minha esposa e eu sempre aceitamos, amamos e encorajamos ele. Nós o ensinamos a trabalhar duro e tratar as pessoas com respeito. Eu não sei onde exatamente nós falhamos com ele, mas como um pai eu me sinto responsável pelo que ele se tornou.
Começou quando ele tinha 14 anos. Ele tinha começado a se tornar recluso e emocional. Nós julgamos que era apenas as alterações de humor da adolescência. Por algum motivo ele era irritadiço e amargo o tempo todo. Nós estávamos preocupados com sua falta de vida social e sua dependência de seu computador. Ele meio que se escondia no mundo online então eu e minha esposa começamos a limitar seu tempo no computador, mas isso só o tornou mais agressivo e confrontador.
Sua higiene era ruim, e ele sempre nos confrontava quando pedíamos para que tomasse um banho ou lavasse suas roupas. Seu quarto fedia e eventualmente tivemos uma grande briga quanto a isso, onde ele acabou empurrando minha mulher e xingando-a de vadia. Finalmente conseguimos o fazer limpar e deixar entrar ar em seu quarto regularmente, justificando que a casa era nossa e que se ele não conseguia manter seu espaço em dia então não teria direito a tê-lo – essencialmente chegamos ao ponto em que nós dissemos a ele que não teria posse de suas coisas nem privacidade a menos que cuidasse do espaço que todos nós dividimos. O quarto ainda tinha um cheiro terrível e ele continuava sendo rude quanto a limpeza, mas ao menos nós podíamos falar para ele limpar e ele o faria.
Nós acabamos recebendo uma ligação de sua escola dizendo que uma estudante se sentia abusada por ele. Nos mostraram mensagens onde ele continuava repetindo para ela transar com ele, ameaçando “punir” ela por ter um relacionamento com ele sem querer fazer isso, enviando nudes para ela contra a vontade dela, contando suas fantasias violentas e eventualmente se rebaixando para reclamações horríveis cheias de ódio sobre como ela era apenas mais uma “vadia” e outras coisas.
Nós ficamos chocados. Nós explicamos para ele o porquê desse comportamento ser inaceitável, e eu disse que não havia problema em ser sexualmente ativo, mas que suas ações eram tóxicas e abusivas.
Eu tentei orienta-lo de homem para homem, levando ele para viagens de acampamento e coisas parecidas, além de falar com ele sobre garotas e mulheres e tentando dar dicas para ele. Eu sugeri para ele que tentasse tomar banho, mudasse o estilo de seu cabelo e pelos faciais, experimentasse roupas diferentes e talvez começasse a ir a uma academia.
Contei a eles algumas verdades doidas – que se ele não quer uma mulher nojenta ele não deve ser um homem nojento. Com homem nojento eu quis dizer higiene e aparência. Expliquei para ele que uma boa aparência é mais higiene e cuidado próprio que genética mas ele se recusou a aceitar o que eu disse.
Depois disso eu o peguei fungando as calcinhas de sua irmã na lavanderia – ele tinha 17 anos na época, e sua irmã 12 – ele me assegurou que isso não tinha nada a ver com sua irmã, e disse que ele apenas tinha um fetiche por cheirar calcinhas e que ele fingia que elas eram de garotas de vídeos pornô, mas ainda assim o fiz sentir o inferno por isso, deixando ele de castigo e sem seu computador por 6 meses. Eu acabei dando uma olhada em seu computador e fiquei enojado com os forums odiáveis, racistas e de incels (celibatários involuntários, homens que não conseguem ter relações sexuais e amorosas e culpam as mulheres e os homens sexualmente ativos por isso) que ele frequentava, as coisas horríveis que ele falava sobre mulheres, e arquivos salvos com pornô de desenhos com garotas de idade duvidável. Eu limpei o HD por completo e comecei a monitorar estritamente sua atividade online. Eu usei filtros parentais para bloquear sites de incels e pornôs que possuíam pornografia cartoonizada.
O próximo grande problema foi algo que ele fez com a amiga de minha filha. Minha filha é cinco anos mais nova que ele, e um dia depois de uma amiga dela ter vindo dormir em casa minha filha veio até mim e disse que essa amiga queria contar algo para mim mas estava com medo do que eu poderia falar.
Meu filho encurralou essa garota de 13 anos e fisicamente bloqueou o caminho, tocou seu cabelo e rosto enquanto fazia comentários inapropriados sobre seu corpo e perguntando se ela gostava de dormir nua e que tipo de roupas intima ela usava.
Eu rasguei com meu filho por isso, eu e minha esposa gritamos com ele, e dissemos que seu comportamento era horrível e falei que se seus atos o fizessem ser preso, eu não iria defendê-lo. Ele nos acusou de não ama-lo, mas eu disse que a razão para eu estar tão bravo com ele naquela situação era exatamente porque eu o amava, e que eu queria ajudar ele a se tornar um bom homem para que ele parasse de ser predatório, amargo e miserável. Eu contei algumas verdades duras. Que ele fez tudo isso a si mesmo e que ele é o único que ele pode culpar pelo quão amargo ele é.
Eu sugeri que ele procurasse por mulheres de sua idade e ele acabou reclamando que isso era uma perda de tempo pois mulheres já eram putas (e sua definição de puta é uma mulher que não é virgem) aos 17 anos. Eu chamei sua atenção por conta dessa merdalhada que ele disse e demonstrei claramente que se ele abusasse novamente de alguma garota jovem eu mesmo o denunciaria.
Eu convidei a amiga da minha irmã para vir em casa depois disso e pessoalmente pedi desculpas pelo ocorrido, eu chorei de vergonha pelo comportamento do meu filho e implorei por perdão por permitir que ela se sinta insegura em minha residência, além de prometer a ela que se ela a qualquer momento se sentisse desconfortável ela poderia vir até minha esposa e eu e nós sempre acreditaríamos e ajudaríamos ela. Por sorte, minha filha não perdeu essa amiga, mas por segurança eu instalei uma fechadura na porta de seu quarto.
Nós conseguimos uma terapia para meu filho mas ele se recusou a entrar em contato com o terapeuta, chamando ele de “árabe escroto”, “pajeet” e “terrorista”. Seu próximo terapeuta era um “chad” (chad, na cultura da internet, é um pau no cu estereotipado, com um ego do tamanho de um planeta que precisa de um chute no queixo, normalmente considerado o “babaca que elas correm atrás”) e portanto também não conseguir ir com a cara dele.
Nós brigamos com ele por não tentar, não conseguir um emprego e ele disse que não conseguia um por conta dos imigrantes, e eu acabei apontando que ele estava tendo dificuldades pois ele foi demitido de seus trabalhos do colégio por ser preguiçoso.
Depois dessas brigas, minha esposa tentou empatizar com ele e entender o que o tornou tão amargo, mas ele se virou contra ela, chamando ela de uma puta devoradora de rolas e disse que ela “fodeu” seu caminho por dezenas de homens até que ela encontrou um “viado beta” que estava disposto a dar um lar para ela em troca de sexo missionário.
Minha esposa, que trabalha e ajuda na renda familiar, que é uma mulher independente e profissional.
Honestamente eu perdi a mente nisso mais do que nunca. Eu nunca havia ficado tão bravo quanto quando eu ouvi o que ele disse. Ela pode ser a mãe dele, ele pode ser meu filho, mas a mulher que ele estava xingando e acabando era a porra da minha esposa. Ninguém fala assim da minha esposa.
Eu estou envergonhado de dizer que no meio da minha fúria ele me empurrou e eu retaliei fisicamente, empurrando ele de volta e colando ele na parede. Eu senti vergonha de mim mesmo. Eu nunca fui uma pessoa brava ou violenta, mas eu não pude me controlar. Eu nunca havia colocado minhas mãos em qualquer um dos meus filhos daquela forma em toda minha vida, eu odeio quem abusa de suas próprias crianças, mas esse garoto não era nenhuma criança. Ele era um homem crescido.
Ele ficou intimidado e recuou, e por um tempo ele ficou pacífico.
A gota d’água aconteceu essa semana.
Minha filha ficou com três pessoas em sua vida toda. Um garoto, uma garota e agora outro garoto. Nós sempre fomos abertos quanto a sexo com minha filha do mesmo jeito que éramos com meu filho. Nós perguntamos se ela gostaria de ter um estoque regular e sem questionamento de preservativos em sua gaveta no banheiro, e se ela gostaria de tomar anticoncepcionais. Ela disse não para as duas perguntas com seu primeiro namorado. Ela nunca o trouxe para casa, mas chegamos a encontrar ele uma vez em um de seus recitais. Quando ela teve uma namorada ela ia para a casa dela direto, e não queria trazer ela para a mesma casa que seu irmão morava, um sentimento que eu entendia.
Mas seu mais recente namorado tinha muita coisa acontecendo por trás em sua família. Ele é um bom garoto mas sua mãe é uma mãe solteira de quatro filhos e sofria bastante por isso.
Esse garoto começou a frequentar nossa casa mais ou menos um mês depois deles se juntarem. Eu gosto dele, minha filha é feliz com ele, ele trata ela com respeito, é inteligente e um absoluto cavalheiro. Ele é respeitoso e educado em nossa casa, ele me chama de senhor, minha esposa de madame e oferece ajuda para cozinhar e lavar a louça ou até mesmo limpar a casa quando ele visita. Ele conversa com a gente, é meio que um cozinheiro amador e trás comida para nós o tempo todo para agradecer os nossos cuidados a ele. Quando nós saímos para jantar ele sempre oferece pagar para ele e minha filha (mas eu sei que ele não tem muito dinheiro então eu pago para ele). Quando saímos do carro ele sempre abre a porta para minha esposa e oferece a mão dele para ajudar ela a descer. Ele segura as portas, quando saímos para algum lugar ele ajuda minha filha a colocar a jaqueta como naqueles casais doces e tradicionais.
Esse jovem trabalha duro, e dá o pouco que tem para sua mãe e irmãos. Como eu disse, eu realmente respeito o garoto. Eu ofereci dinheiro para ele uma vez para que fizesse compras para sua família mas ele recusou e disse que se sentiria culpado por aceitar meu dinheiro daquele jeito. Ele aprecia as coisas – no inverno, estava -20 graus e ele tinha apenas uma roupa com capuz, então eu enrolei minha jaqueta em seus braços e disse “tome, garoto, está frio”. Ele encheu os olhos de lágrimas e agradeceu, e eu dei alguma desculpa sobre querer me livrar da jaqueta e disse que ele poderia ficar com ela se ele trouxesse alguns biscoitos a próxima vez que nos visitasse.
Quando o Natal chegou, eu o convidei para a ceia, e quando eu fui buscar ele eu deixei alguns presentes para sua família, e no caminho de volta para minha casa nós tivemos um momento. Ele estava chorando, pois não tinha muito o que dar para nós – ele deu um presente para todos nós em casa mas chorou mesmo assim pois sentiu que não era o suficiente considerando o que eu fiz por ele. Eu encostei o carro, e o abracei, dizendo que não importava o valor do que ele nos dava, mas sim que ele nos deu algo afinal. Eu agradeci ele por tratar minha filha tão bem, e eu disse que ele era sempre bem vindo em nossa casa.
Meu próprio filho não tinha nos dado nada de natal, nem mesmo um cartão ele comprou com o dinheiro que nós demos a ele. Esse garoto deu para minha esposa e a mim taças de vinho que combinavam visto que nós gostamos de dividir uma garrafa de vez em quando.
Meu filho não comeu com a gente. Ele pegou a comida da mesa e correu de volta ao seu quarto sozinho enquanto o namorado de minha filha conhecia minha irmã e sua família, meus pais e meu tio. Todos eles disseram que ele era charmoso e muito educado. Enquanto isso, depois da janta, meu filho disse para meu sobrinho de 5 anos “vaza daqui seu viado” por ter pedido para jogar algum jogo com ele. Um homem de mais de 20 anos.
Semana passada, minha esposa e eu ficamos fora uma tarde toda para aproveitar um tempo a sós. Nós fomos jantar, e então nós fomos para um bar para jogar um pouco de sinuca, e depois para casa.
Quando entrei em casa, os garotos estavam gritando uns com os outros. Eu corri e vi meu filho e o namorado de minha filha brigando. O namorado estava apenas empurrando e tentando redirecionar meu filho, meu filho estava socando e investindo contra ele. Minha filha estava chorando e sentada encostada à parede escondendo seu rosto. Eu entrei no meio deles e os separei, demandando uma explicação.
Meu filho começou um barraco falando sobre como ele achou anticoncepcionais e ouviu sons de “putaria” vindo de dentro do quarto dela, então ele arrombou a porta e encontrou eles transando, disse que não acreditava que sua irmã era uma “puta de um preto” e chamou o pobre coitado de macaco e outras coisas.Minha esposa levou minha filha e seu namorado para longe dali. Eu gritei com meu filho pelos seus atos. Eu não consegui chegar a lugar nenhum com ele então fiz ele esperar em seu quarto. Eu fui falar com minha filha. Pedi desculpas para seu namorado, chorando enquanto eu o fazia, dizendo que eu esperava que ele me perdoasse por deixar isso acontecer. Ele disse que ele estava arrependido de ter ficado violento, mas disse que só ficou pois meu filho bateu em sua namorada. Minha filha chorou e disse que seu irmão era um psicopata e a ameaçou de estupro, e que ele admitiu já ter gozado em sua escova de dentes e de cabelo.
Eu corri para o quarto dele, e disse firmemente que ele tinha que pegar suas coisas e sair. Eu disse que pagaria para ter suas coisas enviadas a ele, para onde ele fosse, mas que ele iria embora amanhã.
Minha esposa ficou na casa das minhas irmãs, e minha filha e seu namorado ficaram na casa dele por algumas noites.
No dia seguinte eu praticamente atirei meu filho para fora de casa enquanto ele gritava e chutava.
Eu tomei sua chave e mudei a senha do alarme e da porta da garagem. Um dia depois eu recebi uma mensagem requisitando que algumas de suas coisas – quase tudo seus jogos – sejam enviadas para um prédio estranho que eu não reconheci a algumas cidades daqui. Um homem aparentemente da idade de colegial tocou a campainha e eu entreguei as coisas a ele. Eu não vi meu filho.
Minha esposa e eu fomos até seu quarto. O namorado da minha filha veio em casa e ajudou a mover os móveis para a garagem. Nós jogamos fora seu colchão e outras coisas nojentas e fedidas, além de retirarmos e substituirmos o carpete.
Escondido em seu armário estava um monte de calcinhas da minha filha, tão saturadas com bolor e sêmen velho que estavam tão duras quanto tijolos. Talvez a pior parte seja que existiam algumas que minha filha jurava não ser dela, além de serem pequenas demais para serem da minha esposa. É possível que ele tenha roubado de minhas sobrinhas.
Tinha até mesmo um caderno contendo desenhos explícitos do meu filho estuprando violentamente várias mulheres e mantendo garotas pequenas acorrentadas em algum tipo de “calabouço sexual”. Eu mexi em seu celular antigo que ainda estava funcionando, e todas suas fotos eram screenshots de minhas sobrinhas e suas amigas usando biquínis, muitos pornôs de cartoons, muitos memes de incell, Trump e red pill (red pill, vinda do filme Matrix onde Morpheus oferece uma pílula vermelha para Neo, o fazendo acordar, é um termo na internet usada entre conservadores e apoiadores do Trump para explicar quando uma pessoa acordou de uma vida de doutrinação esquerdista). Ele ainda tinha o messenger, então eu chequei suas mensagens, a maioria delas era apenas ele tentando abusar de mulheres e garotas menores de idade.
Eu dei uma olhada em seu e-mail e, para meu desgosto, ele roubou fotos privadas da minha esposa de seu celular, e estava vendendo elas.
Hoje eu fui até a polícia com tudo que eu tinha e contei tudo que sabia.
Eu dei ao meu garoto tudo... Eu não sei porque ele acabou nesse caminho. Eu sou muito arrependido de ter falhado com ele. Eu não sei o que a polícia fará, mas espero que eles parem ele antes que ele machuque mais alguém.
A coisa mais triste é que, ontem, depois que tudo tinha terminado e acalmado, foi um dia maravilhoso. Um dos dias mais felizes que já tivemos.




É isso, se alguém quiser que eu altere alguma coisa é só falar, os edits são para isso


submitted by Dinohobby to brasilivre [link] [comments]


2018.11.13 03:45 Dinohobby Traduzi o texto famoso do filho incel do r/self "My son is a hateful incel, and I just cannot save him or defend him anymore."

link original pra quem quiser: https://www.reddit.com/self/comments/9vs05k/my_son_is_a_hateful_incel_and_i_just_cannot_save/

Meu garoto, meu filho mais velho, era tão bom quando pequeno, mas algo dentro dele quebrou quando ele era adolescente.
Minha esposa e eu sempre aceitamos, amamos e encorajamos ele. Nós o ensinamos a trabalhar duro e tratar as pessoas com respeito. Eu não sei onde exatamente nós falhamos com ele, mas como um pai eu me sinto responsável pelo que ele se tornou.
Começou quando ele tinha 14 anos. Ele tinha começado a se tornar recluso e emocional. Nós julgamos que era apenas as alterações de humor da adolescência. Por algum motivo ele era irritadiço e amargo o tempo todo. Nós estávamos preocupados com sua falta de vida social e sua dependência de seu computador. Ele meio que se escondia no mundo online então eu e minha esposa começamos a limitar seu tempo no computador, mas isso só o tornou mais agressivo e confrontador.
Sua higiene era ruim, e ele sempre nos confrontava quando pedíamos para que tomasse um banho ou lavasse suas roupas. Seu quarto fedia e eventualmente tivemos uma grande briga quanto a isso, onde ele acabou empurrando minha mulher e xingando-a de vadia. Finalmente conseguimos o fazer limpar e deixar entrar ar em seu quarto regularmente, justificando que a casa era nossa e que se ele não conseguia manter seu espaço em dia então não teria direito a tê-lo – essencialmente chegamos ao ponto em que nós dissemos a ele que não teria posse de suas coisas nem privacidade a menos que cuidasse do espaço que todos nós dividimos. O quarto ainda tinha um cheiro terrível e ele continuava sendo rude quanto a limpeza, mas ao menos nós podíamos falar para ele limpar e ele o faria.
Nós acabamos recebendo uma ligação de sua escola dizendo que uma estudante se sentia abusada por ele. Nos mostraram mensagens onde ele continuava repetindo para ela transar com ele, ameaçando “punir” ela por ter um relacionamento com ele sem querer fazer isso, enviando nudes para ela contra a vontade dela, contando suas fantasias violentas e eventualmente se rebaixando para reclamações horríveis cheias de ódio sobre como ela era apenas mais uma “vadia” e outras coisas.
Nós ficamos chocados. Nós explicamos para ele o porquê desse comportamento ser inaceitável, e eu disse que não havia problema em ser sexualmente ativo, mas que suas ações eram tóxicas e abusivas.
Eu tentei orienta-lo de homem para homem, levando ele para viagens de acampamento e coisas parecidas, além de falar com ele sobre garotas e mulheres e tentando dar dicas para ele. Eu sugeri para ele que tentasse tomar banho, mudasse o estilo de seu cabelo e pelos faciais, experimentasse roupas diferentes e talvez começasse a ir a uma academia.
Contei a eles algumas verdades doidas – que se ele não quer uma mulher nojenta ele não deve ser um homem nojento. Com homem nojento eu quis dizer higiene e aparência. Expliquei para ele que uma boa aparência é mais higiene e cuidado próprio que genética mas ele se recusou a aceitar o que eu disse.
Depois disso eu o peguei fungando as calcinhas de sua irmã na lavanderia – ele tinha 17 anos na época, e sua irmã 12 – ele me assegurou que isso não tinha nada a ver com sua irmã, e disse que ele apenas tinha um fetiche por cheirar calcinhas e que ele fingia que elas eram de garotas de vídeos pornô, mas ainda assim o fiz sentir o inferno por isso, deixando ele de castigo e sem seu computador por 6 meses. Eu acabei dando uma olhada em seu computador e fiquei enojado com os forums odiáveis, racistas e de incels (celibatários involuntários, homens que não conseguem ter relações sexuais e amorosas e culpam as mulheres e os homens sexualmente ativos por isso) que ele frequentava, as coisas horríveis que ele falava sobre mulheres, e arquivos salvos com pornô de desenhos com garotas de idade duvidável. Eu limpei o HD por completo e comecei a monitorar estritamente sua atividade online. Eu usei filtros parentais para bloquear sites de incels e pornôs que possuíam pornografia cartoonizada.
O próximo grande problema foi algo que ele fez com a amiga de minha filha. Minha filha é cinco anos mais nova que ele, e um dia depois de uma amiga dela ter vindo dormir em casa minha filha veio até mim e disse que essa amiga queria contar algo para mim mas estava com medo do que eu poderia falar.
Meu filho encurralou essa garota de 13 anos e fisicamente bloqueou o caminho, tocou seu cabelo e rosto enquanto fazia comentários inapropriados sobre seu corpo e perguntando se ela gostava de dormir nua e que tipo de roupas intima ela usava.
Eu rasguei com meu filho por isso, eu e minha esposa gritamos com ele, e dissemos que seu comportamento era horrível e falei que se seus atos o fizessem ser preso, eu não iria defendê-lo. Ele nos acusou de não ama-lo, mas eu disse que a razão para eu estar tão bravo com ele naquela situação era exatamente porque eu o amava, e que eu queria ajudar ele a se tornar um bom homem para que ele parasse de ser predatório, amargo e miserável. Eu contei algumas verdades duras. Que ele fez tudo isso a si mesmo e que ele é o único que ele pode culpar pelo quão amargo ele é.
Eu sugeri que ele procurasse por mulheres de sua idade e ele acabou reclamando que isso era uma perda de tempo pois mulheres já eram putas (e sua definição de puta é uma mulher que não é virgem) aos 17 anos. Eu chamei sua atenção por conta dessa merdalhada que ele disse e demonstrei claramente que se ele abusasse novamente de alguma garota jovem eu mesmo o denunciaria.
Eu convidei a amiga da minha irmã para vir em casa depois disso e pessoalmente pedi desculpas pelo ocorrido, eu chorei de vergonha pelo comportamento do meu filho e implorei por perdão por permitir que ela se sinta insegura em minha residência, além de prometer a ela que se ela a qualquer momento se sentisse desconfortável ela poderia vir até minha esposa e eu e nós sempre acreditaríamos e ajudaríamos ela. Por sorte, minha filha não perdeu essa amiga, mas por segurança eu instalei uma fechadura na porta de seu quarto.
Nós conseguimos uma terapia para meu filho mas ele se recusou a entrar em contato com o terapeuta, chamando ele de “árabe escroto”, “pajeet” e “terrorista”. Seu próximo terapeuta era um “chad” (chad, na cultura da internet, é um pau no cu estereotipado, com um ego do tamanho de um planeta que precisa de um chute no queixo, normalmente considerado o “babaca que elas correm atrás”) e portanto também não conseguir ir com a cara dele.
Nós brigamos com ele por não tentar, não conseguir um emprego e ele disse que não conseguia um por conta dos imigrantes, e eu acabei apontando que ele estava tendo dificuldades pois ele foi demitido de seus trabalhos do colégio por ser preguiçoso.
Depois dessas brigas, minha esposa tentou empatizar com ele e entender o que o tornou tão amargo, mas ele se virou contra ela, chamando ela de uma puta devoradora de rolas e disse que ela “fodeu” seu caminho por dezenas de homens até que ela encontrou um “viado beta” que estava disposto a dar um lar para ela em troca de sexo missionário.
Minha esposa, que trabalha e ajuda na renda familiar, que é uma mulher independente e profissional.
Honestamente eu perdi a mente nisso mais do que nunca. Eu nunca havia ficado tão bravo quanto quando eu ouvi o que ele disse. Ela pode ser a mãe dele, ele pode ser meu filho, mas a mulher que ele estava xingando e acabando era a porra da minha esposa. Ninguém fala assim da minha esposa.
Eu estou envergonhado de dizer que no meio da minha fúria ele me empurrou e eu retaliei fisicamente, empurrando ele de volta e colando ele na parede. Eu senti vergonha de mim mesmo. Eu nunca fui uma pessoa brava ou violenta, mas eu não pude me controlar. Eu nunca havia colocado minhas mãos em qualquer um dos meus filhos daquela forma em toda minha vida, eu odeio quem abusa de suas próprias crianças, mas esse garoto não era nenhuma criança. Ele era um homem crescido.
Ele ficou intimidado e recuou, e por um tempo ele ficou pacífico.
A gota d’água aconteceu essa semana.
Minha filha ficou com três pessoas em sua vida toda. Um garoto, uma garota e agora outro garoto. Nós sempre fomos abertos quanto a sexo com minha filha do mesmo jeito que éramos com meu filho. Nós perguntamos se ela gostaria de ter um estoque regular e sem questionamento de preservativos em sua gaveta no banheiro, e se ela gostaria de tomar anticoncepcionais. Ela disse não para as duas perguntas com seu primeiro namorado. Ela nunca o trouxe para casa, mas chegamos a encontrar ele uma vez em um de seus recitais. Quando ela teve uma namorada ela ia para a casa dela direto, e não queria trazer ela para a mesma casa que seu irmão morava, um sentimento que eu entendia.
Mas seu mais recente namorado tinha muita coisa acontecendo por trás em sua família. Ele é um bom garoto mas sua mãe é uma mãe solteira de quatro filhos e sofria bastante por isso.
Esse garoto começou a frequentar nossa casa mais ou menos um mês depois deles se juntarem. Eu gosto dele, minha filha é feliz com ele, ele trata ela com respeito, é inteligente e um absoluto cavalheiro. Ele é respeitoso e educado em nossa casa, ele me chama de senhor, minha esposa de madame e oferece ajuda para cozinhar e lavar a louça ou até mesmo limpar a casa quando ele visita. Ele conversa com a gente, é meio que um cozinheiro amador e trás comida para nós o tempo todo para agradecer os nossos cuidados a ele. Quando nós saímos para jantar ele sempre oferece pagar para ele e minha filha (mas eu sei que ele não tem muito dinheiro então eu pago para ele). Quando saímos do carro ele sempre abre a porta para minha esposa e oferece a mão dele para ajudar ela a descer. Ele segura as portas, quando saímos para algum lugar ele ajuda minha filha a colocar a jaqueta como naqueles casais doces e tradicionais.
Esse jovem trabalha duro, e dá o pouco que tem para sua mãe e irmãos. Como eu disse, eu realmente respeito o garoto. Eu ofereci dinheiro para ele uma vez para que fizesse compras para sua família mas ele recusou e disse que se sentiria culpado por aceitar meu dinheiro daquele jeito. Ele aprecia as coisas – no inverno, estava -20 graus e ele tinha apenas uma roupa com capuz, então eu enrolei minha jaqueta em seus braços e disse “tome, garoto, está frio”. Ele encheu os olhos de lágrimas e agradeceu, e eu dei alguma desculpa sobre querer me livrar da jaqueta e disse que ele poderia ficar com ela se ele trouxesse alguns biscoitos a próxima vez que nos visitasse.
Quando o Natal chegou, eu o convidei para a ceia, e quando eu fui buscar ele eu deixei alguns presentes para sua família, e no caminho de volta para minha casa nós tivemos um momento. Ele estava chorando, pois não tinha muito o que dar para nós – ele deu um presente para todos nós em casa mas chorou mesmo assim pois sentiu que não era o suficiente considerando o que eu fiz por ele. Eu encostei o carro, e o abracei, dizendo que não importava o valor do que ele nos dava, mas sim que ele nos deu algo afinal. Eu agradeci ele por tratar minha filha tão bem, e eu disse que ele era sempre bem vindo em nossa casa.
Meu próprio filho não tinha nos dado nada de natal, nem mesmo um cartão ele comprou com o dinheiro que nós demos a ele. Esse garoto deu para minha esposa e a mim taças de vinho que combinavam visto que nós gostamos de dividir uma garrafa de vez em quando.
Meu filho não comeu com a gente. Ele pegou a comida da mesa e correu de volta ao seu quarto sozinho enquanto o namorado de minha filha conhecia minha irmã e sua família, meus pais e meu tio. Todos eles disseram que ele era charmoso e muito educado. Enquanto isso, depois da janta, meu filho disse para meu sobrinho de 5 anos “vaza daqui seu viado” por ter pedido para jogar algum jogo com ele. Um homem de mais de 20 anos.
Semana passada, minha esposa e eu ficamos fora uma tarde toda para aproveitar um tempo a sós. Nós fomos jantar, e então nós fomos para um bar para jogar um pouco de sinuca, e depois para casa.
Quando entrei em casa, os garotos estavam gritando uns com os outros. Eu corri e vi meu filho e o namorado de minha filha brigando. O namorado estava apenas empurrando e tentando redirecionar meu filho, meu filho estava socando e investindo contra ele. Minha filha estava chorando e sentada encostada à parede escondendo seu rosto. Eu entrei no meio deles e os separei, demandando uma explicação.
Meu filho começou um barraco falando sobre como ele achou anticoncepcionais e ouviu sons de “putaria” vindo de dentro do quarto dela, então ele arrombou a porta e encontrou eles transando, disse que não acreditava que sua irmã era uma “puta de um preto” e chamou o pobre coitado de macaco e outras coisas.Minha esposa levou minha filha e seu namorado para longe dali. Eu gritei com meu filho pelos seus atos. Eu não consegui chegar a lugar nenhum com ele então fiz ele esperar em seu quarto. Eu fui falar com minha filha. Pedi desculpas para seu namorado, chorando enquanto eu o fazia, dizendo que eu esperava que ele me perdoasse por deixar isso acontecer. Ele disse que ele estava arrependido de ter ficado violento, mas disse que só ficou pois meu filho bateu em sua namorada. Minha filha chorou e disse que seu irmão era um psicopata e a ameaçou de estupro, e que ele admitiu já ter gozado em sua escova de dentes e de cabelo.
Eu corri para o quarto dele, e disse firmemente que ele tinha que pegar suas coisas e sair. Eu disse que pagaria para ter suas coisas enviadas a ele, para onde ele fosse, mas que ele iria embora amanhã.
Minha esposa ficou na casa das minhas irmãs, e minha filha e seu namorado ficaram na casa dele por algumas noites.
No dia seguinte eu praticamente atirei meu filho para fora de casa enquanto ele gritava e chutava.
Eu tomei sua chave e mudei a senha do alarme e da porta da garagem. Um dia depois eu recebi uma mensagem requisitando que algumas de suas coisas – quase tudo seus jogos – sejam enviadas para um prédio estranho que eu não reconheci a algumas cidades daqui. Um homem aparentemente da idade de colegial tocou a campainha e eu entreguei as coisas a ele. Eu não vi meu filho.
Minha esposa e eu fomos até seu quarto. O namorado da minha filha veio em casa e ajudou a mover os móveis para a garagem. Nós jogamos fora seu colchão e outras coisas nojentas e fedidas, além de retirarmos e substituirmos o carpete.
Escondido em seu armário estava um monte de calcinhas da minha filha, tão saturadas com bolor e sêmen velho que estavam tão duras quanto tijolos. Talvez a pior parte seja que existiam algumas que minha filha jurava não ser dela, além de serem pequenas demais para serem da minha esposa. É possível que ele tenha roubado de minhas sobrinhas.
Tinha até mesmo um caderno contendo desenhos explícitos do meu filho estuprando violentamente várias mulheres e mantendo garotas pequenas acorrentadas em algum tipo de “calabouço sexual”. Eu mexi em seu celular antigo que ainda estava funcionando, e todas suas fotos eram screenshots de minhas sobrinhas e suas amigas usando biquínis, muitos pornôs de cartoons, muitos memes de incell, Trump e red pill (red pill, vinda do filme Matrix onde Morpheus oferece uma pílula vermelha para Neo, o fazendo acordar, é um termo na internet usada entre conservadores e apoiadores do Trump para explicar quando uma pessoa acordou de uma vida de doutrinação esquerdista). Ele ainda tinha o messenger, então eu chequei suas mensagens, a maioria delas era apenas ele tentando abusar de mulheres e garotas menores de idade.
Eu dei uma olhada em seu e-mail e, para meu desgosto, ele roubou fotos privadas da minha esposa de seu celular, e estava vendendo elas.
Hoje eu fui até a polícia com tudo que eu tinha e contei tudo que sabia.
Eu dei ao meu garoto tudo... Eu não sei porque ele acabou nesse caminho. Eu sou muito arrependido de ter falhado com ele. Eu não sei o que a polícia fará, mas espero que eles parem ele antes que ele machuque mais alguém.
A coisa mais triste é que, ontem, depois que tudo tinha terminado e acalmado, foi um dia maravilhoso. Um dos dias mais felizes que já tivemos.




É isso, se alguém quiser que eu altere alguma coisa é só falar, os edits são para isso


submitted by Dinohobby to brasil [link] [comments]


2018.10.04 04:38 gatoetc Industrialização e Urbanização (portfólio mod4, pt.4)

Industrialização e Urbanização

Entre os séculos XV e XVII, cerca de 80% de toda a população europeia vivia no campo. Até o final do século XVIII esse número se manteve com poucas variações: de cada 100 habitantes da Europa, cerca de 85 viviam no campo ou em pequenos povoados. Essas mulheres, homens e crianças trabalhavam como agricultores, criadores de animais ou artesãos, produzindo alimentos, móveis, roupas, objetos e quase tudo de que precisavam. Geralmente, produziam em pequenas quantidades e vendiam ou trocavam o que não consumiam.
Além do mundo rural, havia as cidades, em geral, pequenas ou médias. Em 1801, apenas 23 cidades europeias ultrapassavam os 100 mil habitantes – em 1900, esse número ampliou-se para 135. Nas cidades, desenvolvia-se o comércio, as manufaturas e a administração pública. Com a industrialização, esse cenário modificou-se imensamente.
Devido à 1ª Revolução Industrial, a Grã-Bretanha tornou-se a maior potência mundial e sua capital, Londres, a cidade mais importante do Ocidente. Ela era considerada referência da civilização europeia e, ao mesmo tempo, recebia produtos e pessoas de todas as regiões do planeta.
A zona rural inglesa passou por um lento processo de transformação caracterizado pela extinção das pequenas propriedades e pela concentração rural. As terras passaram a ser cercadas para a criação de carneiros, resultando na redução da área agrícola e na expulsão dos camponeses que migraram para as cidades em busca de trabalho (êxodo rural). No século XVIII, novas técnicas agrícolas passaram a ser desenvolvidas, com a introdução de máquinas (novos arados, grades para aplainar a terra, debulhadoras e ceifadeiras mecânicas), permitindo o crescimento da produção agrícola.
Devido à crescente industrialização do campo e da cidade, a população inglesa aumentou rapidamente saltando de 6,5 milhões de pessoas em 1750, para 16,3 milhões em 1800 e 27,5 milhões em 1851 (No mundo também houve um expressivo aumento demográfico: em 1830, a população mundial atingiu a marca de 1 bilhão e, na virada do século XIX para o XX, chegou a 2 bilhões). As cidades eram o local onde o número de habitantes mais crescia, devido ao êxodo rural, sendo que o afluxo de pessoas era bem superior ao esperado. Por volta de 1850, Londres tinha uma população de aproximadamente 2,5 milhões de pessoas e o governo precisava investir em infraestrutura, como transportes, saneamento e moradias.
A maioria da população vivia em áreas distantes, os subúrbios. As moradias dos trabalhadores eram modestas, escuras e mal ventiladas e, muitas vezes, recebiam as fuligens das fábricas. Famílias mais numerosas tinham que compartilhar ambientes pequenos e desconfortáveis. As moradias não tinham banheiro e não havia sistema de coleta de esgoto, sendo que as fezes e a urina eram depositadas em baldes e penicos que depois eram esvaziados na rua, onde se juntava ao lixo – que podia se acumular a metros de altura. O lixo decomposto infectava o solo e a água, além de atrair um grande número de pulgas, percevejos, baratas, ratos, moscas e mosquitos. Isso provocava a propagação de epidemias como cólera, varíola, difteria e tuberculose – problemas para os quais a medicina ainda não tinha resposta.
Nas áreas centrais da cidade, onde habitavam os mais ricos, as casas eram maiores, arejadas e iluminadas, as avenidas eram largas, servidas por coleta de lixo, bombeiros e policiamento e, pouco a pouco, também por iluminação pública e por linhas de bondes. Mesmo com os problemas decorrentes da urbanização acelerada, a cidade tinha seus encantos. As inovações tecnológicas – como a iluminação a gás e depois a eletricidade – possibilitavam um novo estilo de vida. As pessoas podiam caminhar à noite e prolongar seus momentos de lazer.
O triunfo dos valores burgueses

A industrialização trouxe consigo o crescimento em quantidade e importância de trabalhadores qualificados, como engenheiros, administradores, comerciantes e vendedores especializados, formando um grupo social intermediário, a classe média.
Havia muitas diferenças econômicas entre um industrial, um profissional liberal e um pequeno comerciante; mesmo assim, eles possuíam alguns valores comuns. Uma das ideias compartilhadas era a crença de que o progresso econômico dependia do esforço individual.
Contudo, para os proprietários de indústrias e bancos, o princípio fundamental era o da liberdade econômica. Segundo eles, o progresso só seria atingido se houvesse liberdade para os investimentos, sem privilégios para os aristocratas nem a interferência do Estado. Já para a classe média, que vivia a instabilidade dos processos econômicos, a defesa de seus interesses políticos pressupunha a garantia da propriedade privada e da liberdade econômica. Por isso, lutava por uma participação maior nas decisões políticas, por exemplo, pela ampliação da base eleitoral.

A emergência da classe média

A classe média se beneficiou do progresso econômico que veio com a industrialização. O grupo passou então a valorizar a dedicação ao trabalho como forma de realização pessoal e os estudos como maneira de ascender socialmente. Aqueles que pertenciam à classe média procuravam imitar a forma de vida dos mais ricos, nas construções de suas moradias, nos hábitos culturais, na aquisição de produtos que ofereciam conforto ou representavam distinção social.
Por fazer parte da burguesia, a classe média convivia com o desafio de poder enriquecer e ascender socialmente; mas os riscos de má administração dos recursos e de empobrecimento também existiam. Uma das diferenças do mundo burguês em relação ao mundo aristocrático do período anterior ao das revoluções é exatamente esta: o nobre poderia não ser endinheirado, mas possuía um estável prestígio político e social; os burgueses, alicerçados na liberdade e nos esforços individuais, até poderiam progredir e mudar de patamar social, mas não tinham garantia de permanecer nele.

O trabalho feminino e infantil

Embora a Revolução Industrial não tenha inventado o trabalho feminino e infantil, as mudanças econômicas decorrentes do período industrial alteraram suas condições. As mulheres e crianças mais pobres trabalhavam nas fábricas ou nas minas, indo cada vez mais distantes de suas casas, cumprindo uma disciplina severa com horários prolongados e controlados de forma rígida e em situações insalubres. As mulheres com melhor instrução e condição social, mas que não eram ricas, trabalhavam em escritórios e no comércio.
O trabalho feminino e infantil passou a ser essencial para o orçamento familiar, em vista dos salários miseráveis recebidos para garantir a submissão dos trabalhadores ao novo sistema fabril de produção. Mulheres casadas e com filhos precisavam conciliar o trabalho doméstico e o cuidado das crianças com a profissão. As jovens solteiras também ajudavam no orçamento familiar e nas tarefas da casa.
Com o desenvolvimento acelerado das tecnologias, exigia-se cada vez mais a qualificação dos trabalhadores. As mulheres da classe média corresponderam rapidamente a essa demanda por mais estudos. A presença cada vez maior de meninas nas escolas transformou o magistério, abrindo essa carreira às mulheres.

A luta feminina por direitos

Essa inserção no mercado de trabalho, porém, não veio acompanhada de conquistas sociais. O salário pago aos homens era bem maior do que o recebido pelas mulheres (em média, 60% maior para os homens). Além disso, elas continuavam sem direitos como o de votar.
Sob influência dos princípios de igualdade liberais e socialistas, os movimentos feministas ganharam vulto nos países industrializados. Refutavam os argumentos que justificavam a inferioridade feminina e lutavam pelo princípio de igualdade entre homens e mulheres.
A primeira reivindicação das mulheres foi o direito ao voto. Muito influente na Inglaterra e nos Estados Unidos, a causa feminina ganhou apoio naquelas sociedades e, no início do século XX, atingiu outras áreas da Europa e do restante do mundo.
A população mundial quase duplicou no século XIX, saltando de 900 milhões para 1,6 bilhão de habitantes. O desenvolvimento da produção industrial, o aperfeiçoamento das técnicas agrícolas e a introdução de novos meios de transporte contribuíram para fornecer alimento, trabalho e novas condições de vida para milhões de pessoas. Ao mesmo tempo, o avanço da ciência e da medicina melhoraram os padrões de saúde pública, reduzindo as taxas de mortalidade e ampliando a expectativa de vida.
submitted by gatoetc to fabricadenoobs [link] [comments]


2017.11.13 21:35 tombombadil_uk Today I fucked up: a estranha sensação de reencontrar um amor do passado 12 anos depois / Parte 2

Não esperava que a Parte 2 ia rolar tão cedo, mas tem atualizações aí. Para quem quiser, dessa vez tem um TL/DR no fim.
A parte 1 é essa aqui: https://www.reddit.com/brasil/comments/7c6tsx/today_i_fucked_up_a_estranha_sensa%C3%A7%C3%A3o_de/
PS.: escrevi isso aqui correndo assim que cheguei em casa, então provavelmente pode estar confuso ou com uns errinhos. Nem de perto foi tão trabalhado quanto o conto que eu fiz da primeira parte. Me desculpem de antemão.
Tive uns dos finais de semana mais atípicos dos últimos anos. Acho que nunca viajei tanto em memórias e dúvidas. Será que realmente rolava alguma coisa? Aliás, será que foi ela mesmo que eu vi na rua? Ela aprecia tão mais velha que talvez sequer fosse a mesma pessoa. E cá estava eu viajando porque uma pessoa aleatória me morou na rua e eu a confundi com alguém que não vejo há doze anos.
Ainda assim, embarquei na onda da nostalgia. Escutei os CDs do Linkin Park, System of a Down, Evanescence e Radiohead que a gente ouvia na época, baixei alguns jogos que eu jogava na época (Xenosaga, Burnout e alguns outros) e coloquei no PS2 que eu achei por um preço ridículo numa feira de rua. Assisti Anjos da Noite e Oldboy, dois que eu lembro de ver naqueles tempos. Domingo eu estiquei a ida à feira e fui até o curso de inglês que frequentávamos juntos, refiz o caminho de lá até casa onde os pais dela moravam. Antes que perguntem, não, eles não moram mais lá. Sei disso porque a casa apareceu à venda há muito tempo.
Foi um fim de semana agridoce. A esposa me achou meio para baixo, eu revirei horas no travesseiro antes de conseguir dormir. Segunda de manhã, indo para o trabalho, eu já estava mais sossegado. Cheguei à conclusão que havia uma enorme possibilidade daquilo tudo ser um baita mal entendido, que aquela mulher sequer era ela. E que eu provavelmente jamais a encontraria na minha vida. E me preocupar com algo tão inatingível era sem propósito algum. O fato de eu ter tentado encontrá-la no Facebook por horas sem sucesso só reforçava isso.
Eu conhecia apenas um dos seus sobrenomes, mas ela não aparecia de forma alguma. Tentei com sobrenome aleatórios algumas boas 20 vezes, devo ter aberto mais de 200 perfis. Nada. Nem sinal.
Mas eu queria falar com alguém sobre aquela história, então decidi me abrir com um amigo do trabalho que é bem gente fina e em quem confio. Passei o almoço contando a história e depois ficamos uns 40 minutos discutindo o assunto. A conclusão dele foi a mesma da galera daqui: "Caralho, como você não falou com ela? Dava um oi, chamava pra conversar".
Falei para ele também que estava começando a duvidar de mim mesmo. Ela estava com uma aparência tão mais velha e nós temos a mesma idade, eu dizia. "Cara, classe média baixa, dois filhos com 20 e poucos anos, voce nem sabe se ela é casada ainda ou não. Às vezes virou mãe solteira e está numa luta fodida".
Quando voltamos para o trabalho, fiz mais uma rodada de pesquisa no Facebook. Talvez fosse uma memória embasada do passado, talvez fosse só uma coincidência, mas eu cismei com o sobrenome Ferreira. Não era o sobrenome que eu sabia com certeza, só um chute que ficava martelando a minha cabeça. Parte de mim dizia que era confusão. Eu tinha uma amiga com o mesmo nome dela é Ferreira no sobrenome, provavelmente estava só confundido as coisas.
Nesse processo, aprendi que o Facebook te dá resultado diferentes para a mesma pesquisa quando você a faz de tempos em tempos. E logo depois desse desabafo, como se falar em voz alta fizesse ela se materializar, ela apareceu. O mesmo rosto de 12 anos atrás, o mesmo sorriso, os mesmos olhos. Minha mão tremeu no computador, levantei para pegar um café é uma água. Respirei fundo, e voltei para ver o resultado.
No começo, senti um misto de alívio e decepção. Ela parecia exatamente como 12 anos atrás, então não era possível que aquela mulher que encontrei na semana passada fosse ela. Abri o perfil e comecei a ver as fotos, os filhos, a pouca vida dela que aquela janela mostrava. Quando abri uma foto mais recente da linha do tempo, a verdade voltou com um soco no estômago: eu realmente a encontrara. A foto de perfil era antiga, mas as mais recentes não deixavam espaço para dúvidas. Eu tinha esbarrado com ela.
Chamei meu colega de trabalho para tomar um café e mostrei as fotos no celular. "Se você não me dissesse que ela tem a mesma idade que a gente, eu nunca ia acreditar em você. Ela parece uns dez anos mais velha, mas era a menina bonita antigamente". E fez a pergunta que eu já estava fazendo mentalmente. "Porra, uma porrada de foto com a família e os filhos, mas e o pai?".
A resposta eu encontrei na lista de amigos dela. Percebi que tinha amigos em comum com outra pessoa da família que tinha o mesmo sobrenome, um amigo farmacêutico que começara a trabalhar em uma farmácia perto do ligar onde trabalho. Era perfeito. Liguei para ele dizendo que queria trocar uma ideia, mas ele tinha acabado de ser transferido para outra unidade da rede para cobrir uma unidade. Com um fogo no cu absurdo, larguei o foda-se no trabalho, peguei um Uber e fui para lá.
No caminho, eu já não sabia bem o que estava fazendo. Eu ficava vendo e revendo aquelas fotos no celular no caminho, lembrando mais e mais dela. É engraçado lembrar de uma pessoa com quem você teve um relacionamento tão profundo e tão curto há tanto tempo. Às vezes eu não sabia bem se eu estava lembrando de alguma coisa ou se eu estava fantasiando, se estava extrapolando algumas memórias.
Fuçando o Facebook dela - curtidas, comentários, gostos, fotos - eu via que ela era exatamente o que eu imaginava. Uma pessoa extremamente simples, de família de classe média baixa, com um estilo de vida simples, bem família e discreta. Os filhos pareciam ser o primeiro lugar em tudo.
Encontrei meu amigo por volta das 16h e subi para a sobreloja da farmácia. Ele vivia falando que o trabalho dele era um marasmo absurdo e tudo que ele fazia quase o dia inteiro era ficar no segundo andar jogando 3DS e como ele estava prestes a comprar um Switch só por conta disso. "Queria ter esses problemas no meu trabalho", brinquei.
Esse meu amigo não é super próximo, mas nos conhecemos há uns 15 anos e crescemos na mesma vizinhança. Apesar de não ser o tipo de pessoa para quem eu desabafo, é alguém em quem eu confio demais. Contei para ele a história toda. "Porra, mas achei que você e XXXX fossem felizes. Vocês têm uma vida tão tranquila". A gente é, eu expliquei. Na verdade eu sou feliz para caralho com a minha vida conjugal, "mas essa ogiva nuclear me fodeu completamente. Pelo menos nesse fim de semana".
É aqui que a história dá uma guinada um pouco para pior. Meu amigo farmacêutico é o tipo de cara que está a cada semana com uma mulher diferente. Os namoros nunca duravam muito. Ele é pintoso e gente fina, então é o tipo de cara para quem chove mulher. E uma dessas mulheres era prima dela, uma mulher com quem ele saiu até por bastante tempo (quase seis meses) dentro dos parâmetros dele.
Ele não lembrava os detalhes, mas ela ficou "falada" na família por conta da crise no casamento. Casou nova, passou para um concurso público que pagava bem mal, mas pelo menos era um emprego garantido, e teve um filho logo no primeiro ano do casamento. No começo, parecia conto de fadas: os dois colegas de escola casam, passam em concursos públicos diferentes (naquele boom de concursos que rolou entre 2005~2010) e têm dois filhos bem rápido. Aos 22 anos, eles já tinham a vida "feita" para alguns padrões.
Mas isso não durou muito. Meu amigo farmacêutico não sabia dos detalhes, obviamente, mas o cara se arrependeu de ter casado tão cedo. Ela largou a faculdade para se dedicar aos filhos. Ainda assim, faltava tempo para cuidar dos dois. Ela largou o emprego público também para se dedicar às crianças e virou dona de casa em tempo integral.
"Ela passou em um concurso público de primeira, eles achavam que ia ser fácil entrar em órgão público mais tarde, quando as crianças estivessem maiores". Burrice do caralho, pensei. A procura por concurso público cresceu vertiginosamente e as vagas minguaram. Agora até os concursos mais bundas tinham altíssima concorrência.
Aparentemente, boa parte da família foi contra. A gente está falando de uma família de classe média baixa de um subúrbio bem quebrado. Para eles, aquela vaga no emprego público era a garantia de que ela teria estabilidade para a vida toda. Ela insistia que o marido tinha um emprego melhor e que eles economizariam tendo ela como dona de casa.
Passaram algum tempo juntos dessa forma, mas o cara ficou de saco cheio. Meu amigo não sabe se chegou a acontecer traição ou não, mas ele enjoou daquela vida. Achava que tinha casado muito cedo, que não tinha aproveitado a vida. Que os dois se precipitaram, que ele não tinha vivido. Que ele não queria ficar preso naquela vida desde tão cedo.
E meteu o pé.
Na família, segundo meu amigo, rolava um misto de pena e revolta com a menina pelas decisões dela. No final das contas, ela voltou para a casa dos pais, entrou em depressão e passou a viver em função dos filhos. Ela não conseguiu terminar a faculdade e jamais a reatou por causa deles também.
Caralho.
No caminho para casa, eu fiquei pensando o quanto aquilo era triste e curioso. Triste por razões óbvias. Curioso porque ela viveu o meu sonho. Sei que pode parecer besteira, mas meu sonho sempre foi casar e ter filhos cedo. Eu nunca fui um cara muito da pegação - até porque, como já disse aí, sempre tive a auto-estima muito baixa - e sempre quis ter uma família, meu sonho sempre foi ter filhos. E eu queria curtir os meus filhos o máximo que pudesse. Imagina você com 32 e um filho de 10 anos? Quanta coisa gostosa você não ia poder compartilhar, viver junto? Acho que o passar do tempo torna o abismo entre as gerações cada vez maior, o que dificulta essa aproximação entre pais e filhos. Em tempo, é só uma opinião pessoal. Não tenho filho, então não tenho muita voz nisso e posso estar redondamente enganado.
Ela viveu o meu sonho, mas tudo deu radicalmente errado. Hoje eu entendo como deve ser problemático casar cedo. Eu casei com 26, o que muita gente já chamaria de cedo hoje em dia. Mas caralho, casar aos 20? Eu precisaria ter certeza absoluta de que estava com uma ótima pessoa ao meu lado, mas é difícil a gente chegar a essa conclusão tão cedo. A maioria das garotas com quem saí entre meus 18~22 anos jamais estariam na minha lista de possíveis esposas hoje em dia. Algumas são minhas amigas até hoje, mas a grande maioria ganhou pensamentos e posições que vão contra quase tudo que eu acredito.
Tentei imaginar a vida dela agora. 32 anos, dois filhos, divorciada, sem faculdade e depois de largar um emprego público, morando na casa dos pais. Os posts e fotos dela no Facebook tem um quê de agridoce. Parece haver um amor incondicional pelos filhos e pelo desenvolvimento deles. Mas ao mesmo tempo parece haver uma triste por não ter aproveitado a vida. Encontrei até um post antigo em que ela nunca tinha andado de avião e sonhava em conhecer a Europa, postava fotos dos lugares que gostaria de viajar, lia livros sobre eles.
Eu sei que isso pode soar paternalista, mas tudo isso me pesava muito o coração. Me dava vontade de ir lá, de mudar a vida dela, de levá-la para Paris, Roma, Praga, Porto, as poucas cidades que visitei nas vezes em que fui para lá. Me dá vontade de correr para encontrá-la, abraçar, ficar com ela, conversar, qualquer merda.
Mas aí eu caio na realidade. Cá estou eu, casado, relativamente estabelecido, vivendo super de boa até sexta-feira. E se eu puxar uma conversa no Facebook para encontrá-la, chamar para um café pelos velhos tempos e falar que fiquei sem jeito de puxar papo com ela quando a vi na praça sexta-feira? O que eu vou dizer?
Depois de explicar porque saí do curso daquele jeito, 12 anos atrás, vou falar que era completamente apaixonado por era e que estava me sentindo feito um adolescente agora? Será que não vou adicionar mais um arrependimento para a lista dela, partindo do princípio que ela talvez também sentisse algo por mim à época? E se não sentia, de que isso serviria?
E não sei as consequências que vê-la pessoalmente podem ter. Sim, ela parece bem mais velha e o tempo não foi bom com ela. Mas eu ainda a acho linda e sinto um aperto no coração idiota toda vez que olho para as fotos dela no Facebook. Eu tenho medo de aparecer, me mostrar como algum exemplo da felicidade e bom senso (sim, já escutei de amigos meus que tenho a vida "perfeita demais" por conta do meu bom senso em geral, apesar de eu achar que tenho uma vida ok, só pautada pelo "pensar antes de fazer") que apenas acentue as más escolhas dela. Eu tenho medo de não aguentar e fazer merda, de estragar um casamento que vai bem para caralho.
Ela está aqui, a um clique de distância, e não sei o que fazer. Nem se devo fazer alguma coisa.
TL/DR: achei a menina no Facebook depois de chutar dezenas de sobrenomes diferentes. Ela está divorciada, largou um emprego público e parece estar numa fossa fodida. Eu não sei se devo fazer alguma coisa ou deixar esse feeling morrer e continuar vivendo deixando esse fuck up de ter sumido da vida da menina para trás.
submitted by tombombadil_uk to brasil [link] [comments]


Faro visita a famosa cidade das mulheres solteiras - YouTube Países com mulheres SOLTEIRAS por falta de homem Cidade das mulheres solteiras - YouTube Paraíso Para Solteiros: Os Países Onde 'Sobram' Mulheres e 'Faltam' Homens A Cidade das Mulheres, direção de Lázaro Faria. 10 PAÍSES COM MULHERES SOLTEIRAS POR FALTA DE HOMEM - YouTube

Sobre Terras e Gentes Desenvolvimento econômico Brasil

  1. Faro visita a famosa cidade das mulheres solteiras - YouTube
  2. Países com mulheres SOLTEIRAS por falta de homem
  3. Cidade das mulheres solteiras - YouTube
  4. Paraíso Para Solteiros: Os Países Onde 'Sobram' Mulheres e 'Faltam' Homens
  5. A Cidade das Mulheres, direção de Lázaro Faria.
  6. 10 PAÍSES COM MULHERES SOLTEIRAS POR FALTA DE HOMEM - YouTube

Vocês sabem quais são os países que tem mais mulheres, digamos assim, sobrando? Já pensou um país aonde só existe mulheres, esse é com certeza o sonho de mui... Faro visita a famosa cidade das mulheres solteiras - Duration: 1:47:23. Hora do Faro Recommended for you. 1:47:23. Mãe Stella - O Camdomblé e a Identidade Cultural Brasileira - Duration: 14:59. A maioria dos 600 habitantes desta comunidade é constituída por mulheres. Uma vez, as 'amazonas brasileiras' até partilharam na página da comunidade uma proposta aos homens para virem ao povoado. Provavelmente você deve perceber que a quantidade de homens comparado para as mulheres, não é tão diferente assim né? Mas claro, essa é uma percepção no noss... Mulheres solteiras A cidade Noiva do Cordeiro é a prova de que o lugar de mulher é onde ela quiser. Lá tem motorista, fazendeira e tudo mais compostos por mulheres. Isso porque...